Etanol valorizado

Os preços do etanol fecharam em alta a semana, que foi mais curta devido ao feriado prolongado de Páscoa. Segundo apurou o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq), de 14 a 17 de abril, o etanol anidro subiu 0,11% no comparativo com a semana anterior, comercializado a R$ 1,5317 o litro nas usinas paulistas.

O etanol hidratado também registrou alta. Foi cotado a R$ 1,4193 o litro, contra R$ 1,3066 da semana de 7 a 11 de abril, valorização de 8,62% por litro do biocombustível, usado no tanque dos carros flex ou originalmente a álcool.

Em artigo divulgado no último sábado (19), o diretor da Archer Consulting, Arnaldo Luiz Corrêa disse que o consumo de combustível está crescendo no país em ritmo acelerado. “O consumo de hidratado no acumulado de doze meses encerrado em fevereiro/2014 foi de 11,1 bilhões de litros, 14,29% acima do mesmo período no ano passado quando atingiu 9,7 bilhões de litros. O anidro foi ainda maior: 28% de crescimento comparando 10,1 bilhões acumulados em fevereiro/2014 e 7,9 bilhões no mesmo período do ano passado. No geral, o consumo de combustíveis cresceu 7,47% no ano”, afirmou Corrêa.

Contratos diários

Os contratos diários do etanol hidratado medidos pela Esalq/BVMF registraram retração na última quinta-feira (17). Uma queda de 2,84% e negócios firmados em R$ 1.336,00 o metro cúbico.

Thermic entrega ovos de Páscoa

Todos os anos, a Thermic deixa a Páscoa dos seus colaboradores mais doce com a distribuição de ovos de chocolate. Neste ano, a entrega  foi feita na tarde do dia 17 nas duas unidade da empresa.

IMG_5844

A maior do Brasil

Durante dez dias, a Thermic produziu e recuperou a maior camisa existente no Brasil. A peça de 100 polegadas pesa 27 toneladas viajou um dia da Usina Cocal, em Narandiba, até Pederneiras.  O peso da peça é equivalente a quase quatro caminhões pequenos

Imagem 3Imagem 2

Investimento

CMN aprova R$ 5 bilhões para financiamento no setor de etanol

28/03/14 - O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou nesta quinta-feira as regras para financiamento da estocagem de etanol e renovação e implantação de canaviais. A estocagem deve receber R$ 2 bilhões e a renovação, R$ 3 bilhões, sendo R$ 300 milhões para produtores rurais e R$ 2,7 bilhões para usinas.

O período de contratação do crédito para armazenagem será de 1º de maio até 30 de novembro deste ano, nas regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e alguns Estados do Nordeste. Os encargos cobrados serão a TJLP mais 2,7 pontos percentuais ao ano.

O volume de recursos do PRORenova-Rural serão de R$ 300 milhões e o PRORenova-Industrial, de R$ 2,7 bilhões. Os encargos financeiros serão compostos pela TJLP acrescida de 2,7 pontos percentuais ao ano e terão como itens financiáveis, gastos e tratos culturais associados ao plantio de cana-de-açúcar. O prazo para reembolso será de até 72 meses, já incluída a carência de 18 meses. O PRORenova pode ser contratado até 31 de março de 2015.

Biocombustível deve crescer

18/03/2014 – A Agência Internacional de Energia (IEA) projetou que a produção de biocombustíveis no Brasil deve crescer mais de 200%, para 4,1 milhões de barris (65 bilhões de litros) até 2035. Segundo dados da agência, apresentados pelo chefe do departamento de indústria e mercado de petróleo da IEA, Antoine Halff, em evento de biocombustíveis em São Paulo, o uso de etanol no transporte subirá dos atuais 3% para 8% nesse período.

De acordo com Halff, as previsões para o Brasil nos próximos 20 anos são otimistas. Ele estima que além de quase quadruplicar a geração de energias renováveis, o país responderá por 40% da exportação mundial de biocombustíveis.

Segundo ele, a produção de gás natural irá quintuplicar e o país se tornará o sexto maior produtor de petróleo do mundo, com uma produção diária de mais de 6 milhões de barris por dia.
Fonte: Valor Online

Thermic chega aos 21 anos comprometida com a economia do Brasil

No dia 15 de março, a Thermic, sediada em Pederneiras, completa 21 anos com a maturidade de uma empresa de ponta no mercado sucroalcooleiro.  Sua fundação em 1993 por três engenheiros, Abílio Celso Salve, José Hermínio Canella e Virgilio Cesar Franceschi, foi inspirada na filosofia de fazer diferença no processo de fabricação e recuperação de peças e equipamentos para usinas de cana-de-açúcar. Hoje, com a qualidade dos serviços e a tecnologia do Robothermic, a empresa se destaca no mercado, atendendo clientes em todo o Brasil.

21 ANOS-01Fachada WEB

Sucroenergético cresce 185%

Nos últimos oito anos, o setor sucroenergético cresceu 50% no Brasil enquanto que no Centro-Oeste a evolução foi de 185%. O bom desempenho do segmento gera empregos sem competir com a pecuária e demais culturas da região e agrega para o desenvolvimento econômico e social. Os dados foram apresentados pelo presidente da Associação dos Produtores de Bioenergia de MS (Biosul), Roberto Hollanda, durante o lançamento do 2° Congresso do Setor Sucroenergético do Brasil Central – Canacentro, realizado na manhã desta quinta-feira (27), na Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Sistema Famasul).

O evento, que ocorre entre os dias 19 e 21 de março, em Campo Grande, tem o objetivo de promover conhecimento, estreitar relacionamento e organizar o setor sucroenergértico na região Centro-Oeste do Brasil. Participaram da solenidade a diretoria da Federação, a secretária de Produção e Turismo, Tereza Cristina Corrêa da Costa, o presidente da Comissão de Bioenergia do Sistema Famasul, Luis Alberto Moraes Novaes, e o diretor Corporativo da Federação das Indústrias de MS (Fiems), Jaime Verruck.

Com palestras, expositores e debates, o evento tem como tema principal as visões de futuro para o setor. O presidente da Famasul, Eduardo Riedel destacou a relevância de discussões sólidas e estudos elaborados, como o congresso para o desenvolvido não só do setor sucroenergético, mas do agronegócio. “O Canacentro é um evento calcado na ciência. Sem bases sólidas estamos fadados ao fracasso. Se ficarmos presos sobre conceitos ideológicos apenas perderemos grandes oportunidades e este evento proporciona a chance de debater e conhecer de maneira efetiva o setor”, pontuou.

Hollanda apresentou ainda detalhes sobre o panorama da produção sucroenergética no Centro-Oeste. “Atravessamos um momento delicado. Até 2020 o Brasil precisa de mais 90 unidades de usinas e a região, e Mato Grosso do Sul oferece condições ideais para novas instalações, mas ainda faltam investimentos “, declarou o presidente da Biosul.

A secretária de Produção e Turismo, Tereza Cristina Corrêa da Costa, disse que após dois anos sem procura por parte de empresários, a Secretaria está sendo procurada por indústrias sucroenergéticas sondando a possibilidade de instalação no Estado. “Em sete anos, passamos de 11 para 24 indústrias com produção expressiva no Estado. “O setor se instalou, o desenvolvimento aconteceu e mesmo o momento sendo delicado, há luz no fim do túnel, com usinas apresentando propostas de ampliação. O Canacentro apresenta novas possibilidades e ajuda a pensar e planejar e futuro desse importante segmento”, avaliou a secretária.

O presidente da Comissão de Bioenergia da Famasul, Luis Alberto Moraes Novaes, relatou foi feito convite aos candidatos à presidência da República, para que participem do evento e conheçam as principais demandas e a relevância do setor. “Convidamos os presidenciáveis para que façam suas contribuições, conheçam as necessidades e perspectivas do segmento”, disse Novaes.

Sobre o evento

O 2° Canacentro acontece entre os dias 19 e 21 de março de 2014, no Centro de Convenções Arquiteto Rubens Gil de Camillo. A iniciativa é realizada pela Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Sistema Famasul) e a Associação dos Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul (Biosul) em parceria com as federações de agricultura e pecuária de Goiás (Faeg), Mato Grosso (Famato) e Distrito Federal (Fape – DF), Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras do Estado do Mato Grosso e Sindicato da Indústria de Fabricação de Etanol do Estado de Goiás.

Integram a programação de palestras Alexandre Mendonça de Barros, engenheiro agrônomo e doutor em Economia Aplicada da USP; Marcos Favas Neves, professor de Estratégia e Planejamento da UPS; Alexandre Enrico Figliolino, diretor da Associação Brasileira do Agronegócio, e Plínio Nastari, presidente da Dastagro – consultoria em açúcar e álcool. Os convidados abordarão temas relacionados à competitividade, industrialização, situação econômica e oportunidades para o setor no Brasil.

Fonte: Assessoria de Imprensa Sistema Famasul, 27 de fevereiro

Thermic recebe certificado “Amigos da Natureza” pelo 2º ano

O Jardim Botânico Municipal, órgão da Secretaria Municipal do Meio Ambiente entregou no último sábado, dia 30, o novo espaço da Coleção de Orquídeas do Jardim Botânico. O evento teve a participação de diversas empresas parceiras, entre elas a Thermic.

De acordo com o diretor do Jardim Botânico, Luiz Carlos de Almeida, a participação das 22 empresas parceiras foi fundamental para a conclusão do projeto. “As empresas que nos apoiam formam um elemento essencial no desenvolvimento deste trabalho, elas são como o óleo que não deixa a engrenagem parar de funcionar”, concluiu. A Thermic foi representada no evento pela colaboradora Luma Garcia, que recebeu do prefeito de Bauru, Rodrigo Agostinho, o certificado “Amigos da Natureza”.

O novo espaço tem 300m², com painéis informativos, permitindo uma maior proximidade do visitante com a coleção, contribuindo assim com os trabalhos de educação ambiental.

O Jardim Botânico possui também o Centro Educacional, Coleção Pteridófitas (samambaias), Herbário, Jardim Sensorial Medicinal, Laboratório de Horticultura, Lago de Plantas Aquáticas, Tratamento de Águas Residuais, Trilha Ecológica e Viveiro de Mudas.

Prefeito de Bauru, Rodrigo Agostinho, a colaboradora da Thermic, Luma Garcia, e  Luiz Carlos Neto

Economia deve crescer, diz BC

A economia brasileira deve ter tido “uma parada” no terceiro trimestre, mas caminha na direção de crescimento maior, afirmou na segunda-feira o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

“Ainda não sabemos os números do terceiro trimestre, mas deduzimos que a economia deu uma parada para compensar o número forte de crescimento do segundo trimestre… para voltar a crescer no quarto trimestre”, afirmou ele em evento promovido pela Editora 3 em São Paulo.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgará nesta terça-feira os dados do Produto Interno Bruto (PIB) para o terceiro trimestre. Pesquisa Reuters aponta contração de 0,2 por cento em relação ao segundo trimestre deste ano, quando o PIB teve alta de 1,5 por cento.

Mantega classificou o ano de 2013 como “difícil e desafiador”, citando o nível alto de inflação, o “compreensível” mau humor dos mercados e a perspectiva de corte no estímulo monetário dos Estados Unidos.

O Federal Reserve, banco central norte-americano, compra atualmente 85 bilhões de dólares em ativos por mês e parte desses recursos tende a migrar para mercados emergentes em busca de rendimentos elevados. A crescente expectativa de redução desse programa tem alimentando preocupações com a possibilidade de fuga de capitais de países em desenvolvimento e fortalecido o dólar em escala global.

No entanto, o ministro afirmou que os investimentos voltaram a crescer em 2013, apontando na direção da retomada do crescimento do país, e destacou que o programa de concessões de logística e infraestrutura e do pré-sal também deve promover a economia.

A Odebrecht Transport venceu na semana passada o leilão da BR-163 (MT), com investimentos previstos de 4,6 milhões de reais durante os 30 anos da concessão. O governo corre para realizar outros três leilões de estradas federais até o fim de 2013, somando-se às concessões de aeroportos, rodovias e de exploração de petróleo já concedidas neste ano.

Mantega lembrou ainda que a política de desonerações do governo, apesar de ter tido impacto negativo sobre as contas públicas, tende a melhorar a competitividade da economia brasileira, aliada ao recente fortalecimento do dólar ante o real.

“Com o câmbio mais competitivo e a política de desonerações que promovemos nos últimos anos, nossas empresas estão bem mais preparadas para aproveitar a retomada do comércio mundial”, emendou Mantega.

O setor público brasileiro registrou superávit primário de 6,188 bilhões de reais em outubro, pior resultado para esse mês e muito aquém das expectativas.

Fonte: Reuters, 03 de dezembro

Alta do diesel prejudica usinas

O aumento de 4 por cento no preço da gasolina nas refinarias anunciado pela Petrobras poderia significar uma leve e pontual melhora na competitividade do etanol, mas o aumento de 8 por cento no diesel deve neutralizar qualquer benefício para as usinas, disse nesta sexta-feira a entidade que representa as principais empresas do setor sucroenergético.

“O impacto da alta do diesel no custo de produção do etanol é muito significativo. Devido ao grau de mecanização hoje na atividade agrícola, o diesel mais caro afeta plantio, colheita, carregamento e transporte”, disse o diretor técnico da União da Indústria de Cana-de-Açúcar, Antonio de Padua Rodrigues, em nota.

A Unica afirmou que persiste a “falta de previsibilidade na formação do preço da gasolina”, considerada um dos maiores obstáculos para mais investimentos no setor de açúcar e etanol, incluindo a construção de novas usinas.

“Continuamos sem um sistema, uma fórmula com parâmetros claros e estáveis, que torne possível entender qual o embasamento para manter ou ajustar o preço da gasolina”, disse o diretor da Unica.

O preço da gasolina é considerado um limitador para o preço do etanol e para a renda das usinas, porque para ser atrativo ao consumidor, o biocombustível precisa ser vendido nos postos a no máximo 70 por cento do valor da gasolina.

Fonte: Reuters, 29 de novembro de 2013