De olho no futuro

Investimentos. Esta foi a tônica dos dois dias de debates realizados no Ethanol Summit, viagra approved evento promovido pela Unica –União da Indústria de Cana-de-Açúcar, viagra buy em São Paulo, here SP.

Por lá estiveram nomes do BNDES -Banco Nacional de DesenvolvimentoEconômico e Social, como WagnerBittencourt, vice-presidente do banco; e Carlos Eduardo Cavalcanti, chefe do Departamento de Biocombustíveis; que apresentaram números, novidades e opiniões sobre o trabalho realizado em proldo setor sucroenergético.

Para Bittencourt, o segmento canavieiro brasileiro precisa investir em dois pilares para poder avançar, sendo o primeiro inovação, englobando as áreasindustrial e agrícola; além de infraestrutura.“As plantas estão competitivas da porteira pra dentro, da porteira para fora não. Por isso, o BNDES tem apoiado iniciativas para melhorias nesse sentido”, disse.

Sobre investimentos, Bittencourt revelou que em 2013 o banco pode voltar a desembolsar um valor histórico, que deve atingir a marca de R$ 6 bilhões. No último ano, foram financiados R$ 4 bilhões. “De 2008 a 2012, o aporte girou em torno deR$ 30 bilhões. Com ele, plantas foram modernizadas e lavouras expandidas”, explicou.

Com os números apresentados, Carlos Eduardo Cavalcanti ressaltou que ao contrário do que muitos pensam, o segmento conta com apoio e investimentos.“Ainda que a situação não seja favorável, o setor sucroenergético tem recebido apoio da nossa parte. Muitas ações vêm destes recursos, como expansão de canaviais, premissas ambientais, melhorias no parque industrial, entre outros pontos”, destacou.

Coube a ele divulgar, em primeira mão, a aprovação do financiamento para a construção da unidade de etanol 2G naUsina São Manoel, em escala de demonstração, no interior paulista.

Sem muitos detalhes, Cavalcanti revelou apenas que o aporte financeiro foi aprovado pelo conselho do banco. “As novas rotas de tecnologia de primeira geração chegaram ao limite e as tecnologias de produção precisam mudar de nível no país. Para isso, precisam de incentivo disse o representante.

O projeto é uma parceria entre o CTC – Centro de Tecnologia Canavieira e Usina São Manoel, com capacidade de produzir 3 milhões de litros por ano da novidade. A unidade deve começar operar em 2014.

Fonte: André Ricci/JornalCana